FacebookTwitterInstagramYouTube

Quarta, 22 Fevereiro 2017

Com foco no Matopiba, técnicos e extensionistas rurais do Tocantins terão acesso a tecnologias de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta

Com foco no Matopiba, técnicos e extensionistas rurais do Tocantins terão acesso a tecnologias de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta
Serão trabalhadas questões como implantação, condução e colheita em sistemas de integração lavoura-pecuária para recuperação de áreas degradadas (foto: MDA/Divulgação).

CLENIO ARAÚJO
DE PALMAS

Nos dias 8 e 9 de março, acontece em Gurupi-TO módulo de capacitação dentro do projeto da Embrapa de Transferência de Tecnologia em Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF). Os temas são implantação e condução de sistemas de produção integrados com foco em produção de grãos em áreas degradadas. É o segundo módulo da capacitação continuada; o primeiro aconteceu em novembro do ano passado em Palmas, capital do estado.

O projeto da Embrapa divide-se por região do país. Uma delas é o Matopiba, região produtiva na qual está Tocantins. No estado, a estratégia tem sido capacitar técnicos da extensão rural – tanto pública como privada – que, por sua vez, implantam tecnologias de ILPF em propriedades onde dão assistência técnica. A mesma estratégia foi executada em outros dois projetos de transferência de tecnologia coordenados pela Embrapa no estado: o ABC TO, que trabalhou visando a uma agricultura com baixa emissão de carbono; e o ABC Leite, voltado à bovinocultura leiteira.

O pesquisador Deivison Santos trabalha na Embrapa Pesca e Aquicultura (Palmas-TO) com sistemas agrícolas e é o coordenador técnico da capacitação continuada. Segundo ele, “a expectativa é de que a adoção das tecnologias de agricultura sustentável - no caso ILPF -, por intermédio dos multiplicadores, ocorra de forma mais eficaz e rápida pelos produtores. Pois, já é sabido que o grande diferencial de sucesso na atividade agropecuária é a correta adoção de tecnologias adaptadas à região, muito mais do que tamanho da área ou capital”.

Além da assiduidade nos diferentes módulos da capacitação, é exigido dos participantes que eles instalem e conduzam uma Unidade de Referência Tecnológica (URT) em alguma propriedade na qual prestem assistência. Deivison explica que a metodologia para aplicação nessa URT é proposta e discutida na parte teórica da capacitação e, em resumo, envolve cinco etapas: seleção da área; diagnósticos da propriedade e do produtor; planejamento participativo da intervenção (a curto e a médio prazos); execução / correção; e avaliação.

CAPACITAÇÃO DE TÉCNICOS

Gessi Ceccon, da área de Pesquisa da Embrapa Agropecuária Oeste (Dourados-MS), vai conduzir os trabalhos no primeiro dia da capacitação em Gurupi. Serão trabalhadas questões como implantação, condução e colheita em sistemas de integração lavoura-pecuária para recuperação de áreas degradadas. No segundo dia, Leandro Bortolon, Elisandra Bortolon e Francelino Camargo, da área de Pesquisa da Embrapa Pesca e Aquicultura, vão mostrar resultados de trabalho com sobressemeadura de capim na cultura de soja em sistema de integração lavoura-pecuária.

A capacitação é voltada a técnicos da assistência técnica e extensão rural, tanto pública como privada, que tenham nível médio, técnico ou superior e atuem no Tocantins. O campus de Gurupi da Universidade Federal do Tocantins (UFT) – situado à Rua Badejós, Lote 7, Chácaras 69/72, s/n, Zona Rural – é o local onde acontecerá a capacitação, que terá 16 horas de carga horária.

A capacitação é uma ação da Rede de Fomento em ILPF, formada pelas empresas Cocamar Cooperativa Agroindustrial, Dow AgroSciences, John Deere, Parker e Syngenta. A realização é da Embrapa junto com o Instituto de Desenvolvimento Rural do Estado do Tocantins (Ruraltins) e a Secretaria do Desenvolvimento da Agricultura e Pecuária (Seagro). Apoiam a empresa Zoofértil, a UFT e o campus de Gurupi do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Tocantins (IFTO). (Da Embrapa)

Norte Agropecuário

FacebookTwitterInstagramYouTube