FacebookTwitterInstagramYouTube

Quinta, 20 Outubro 2016

"Matopiba não depende da vontade de um governo; É uma realidade que não volta mais atrás", diz Kátia Abreu

O Matopiba era uma das bandeiras de Kátia Abreu à frente do Mapa (foto: Márcio Oliveira/Agência Senado)

Em pronunciamento no Senado, a ex-ministra da Agricultura, Kátia Abreu (PMDB-TO) criticou a decisão do governo federal de extinguir o Departamento de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba. "O Matopiba não depende da vontade de um governo. É uma realidade que não volta mais atrás. A população quer e precisa. Vamos reverter esse IDH vergonhoso e ser exemplo para o mundo", comentou.

No discurso desta quarta-feira, 19, ela destacou o potencial econômico da região. A data coincide com a validade da extinção do departamento do Matopiba, conforme informou o Norte Agropecuário no final do mês de setembro. Todavia, segundo ela, o desenvolvimento da região é irreversível.

VEJA TAMBÉM

Extinção de departamento do Matopiba vale a partir desta quarta 

Governo federal extingue departamento do Matopiba

País vive momento de ajustes, diz governador do Tocantins 

Piauí reage à extinção de departamento do Matopiba 

CLIQUE AQUI E LEIA MAIS SOBRE O MATOPIBA

Na tribuna do Plenário, a parlamentar lembrou que região formada por partes dos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia é a última fronteira agrícola do país, com 35 milhões de hectares adequados para a produção de alimentos.

Segundo Kátia Abreu, a área, que foi delimitada pela Embrapa, abriga seis milhões de pessoas em 337 municípios e já responde por 10% da produção nacional de grãos, com potencial para muito mais.

REALIDADE DO MATOPIBA

Apesar da perspectiva otimista de futuro, a realidade é dura, alerta a parlamentar. Das 250 mil propriedades rurais do Matopiba, 235 mil se enquadram nas classes D e E. O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) da população local é de 0,64, contra 0,73 da média nacional.

"Nós queremos ter um continente de prosperidade, não com uma varinha de condão, não apenas uma ideia ufanista, mas temos condições e meios para fazer com que os produtores nativos, os pequenos e os médios possam ser inseridos nesta grande prosperidade do agronegócio", disse.

De acordo com a senadora, a seca é outro desafio, mas a falta de chuva pode ser superada, desde que haja planejamento e investimento em tecnologia. (Com informações da Agência Senado)

Norte Agropecuário

FacebookTwitterInstagramYouTube